Vai pra cima: o mercado de segurança eletrônica vai virar o jogo em 2018

Blog

  • Vai_pra_cima-01.jpg

Vai pra cima: o mercado de segurança eletrônica vai virar o jogo em 2018


Os primeiros dias de 2018 foram intensos e deram todos os indícios de que este será um ano acelerado.

Já veio embalado, desde meados do segundo semestre de 2017, quando o mercado de segurança eletrônica voltou a reagir depois de um longo período de recessão econômica.

“Começamos aquecidos, com uma média de 20% a mais de contratações em comparação com o mesmo período do ano passado”, destaca AndréLuiz Melo empresário e vice-presidente do Siese Amazonas.

Os respingos da crise ainda impactam o segmento, mas ele deve continuar crescendo mesmo em ritmo menor se comparado aos anos anteriores – entre 5% a 6%.

“Ainda assim é muito bom. Sinal de que as empresas estão se reinventando e trazendo mais novidades em segurança eletrônica para os clientes”, analisa Francisco de Assis Condini, empresário e presidente do Siese São Paulo.

Palavras - e condutas - de ordem

Novidades que devem estar aliadas à gestão profissional do negócio, sinaliza Augustus von Sperling, empresário e presidente do Siese Distrito Federal. “As empresas estão cada vez mais organizadas, reavaliando seus custos, tendo uma visão mais estratégica do mercado”, complementa.

Essa nova forma de conduzir os negócios exige do gestor uma postura diferenciada, competitiva e rápida se quiser se manter e crescer no segmento.

A dica do empresário e presidente do Siese Paraná AdroaldoCompanhoni é: “cada gestor deve estar atento ao seu negócio, estar focado e acompanhando as mudanças que são aceleradas, caso contrário não vai suportar a concorrência”.

Time que joga junto

E a mudança deve refletir em todos os departamentos da empresa. Barbara Locatelli, presidente do Siese Santa Catarina considera fundamental que todas as pessoas estejam alinhadas com a nova estratégia. “O comercial não vende se o operacional não for comprometido. O operacional não funciona se o administrativo não tiver controles. Todos estão ligados e o mercado exigente quer mais do que equipamentos e instalações de qualidade, quer ser bem atendido”.  

E o que mais deve ser feito? Redobrar as energias e trabalhar duro.

“Todos os anos estamos acostumados com a brincadeira que o Brasil só começa a funcionar depois do Carnaval, isso é de senso comum. Porém este ano além do Carnaval tem a Copa do Mundo e as Eleições, fora uma enorme quantidade de feriados. Por isso, para vermos um resultado bom, vamos ter que trabalhar em dobro e isso faz parte do jogo de quem quer vencer”, afirma o editor da Revista Segurança Eletrônica, Christian Visval.

 

E aí, preparado para mostrar a força e extrair o máximo de sua empresa de segurança?


Confira aqui as matérias completas com cada um dos entrevistados:

Você aqueceu que chega, é hora de ser titular - Christian Visval

O treino foi duro para o jogo ser fácil - Adroaldo Companhoni

O mercado de segurança eletrônica está reagindo, é hora de virar o jogo - Augustus von Sperling

Otimistas sim, mas o jogo não está ganho - André Melo

Fazer mais do que o habitual: essa é a regra do jogo - Barbara Locatelli








FIQUE CONECTADO COM A INSIDE