Em um ano tão desafiador, estar em dois rankings do Great Place To Work (GPTW) é sinônimo de orgulho para a Inside Sistemas. Em um, ela está entre as 80 Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil – categoria Tecnologia da Informação – e em outro, ela é a 25ª Melhor Empresa para Trabalhar no Paraná – categoria empresas de médio porte.

Estar na mesma lista de empresas como Microsoft Brasil, Cisco, Visa, Ebanx, DB1 e tantas outras que inspiram a Inside Sistemas a se dedicar de forma contínua à melhoria do ambiente de trabalho e ao cuidado com as pessoas, é sinônimo de orgulho. “Participar desses rankings mostra que não importa onde você esteja, se é no interior ou em uma grande capital, o importante é o que você faz todos os dias, de forma evolutiva e constante”, define o diretor presidente, Claudemir Hellmann. “Sentimos muito orgulho de estarmos sediados em Toledo, mas no nível de grandes empresas do nosso país” complementa.

Pessoas fazem parte da nossa cultura

A conquista é compartilhada com os mais de 130 colaboradores que fortalecem, todos os dias, a cultura corporativa iniciada na fundação da empresa, há 18 anos. “Na Inside Sistemas as pessoas sempre estiveram no centro da cultura. São elas que inspiram as ações que retornam em forma de satisfação, comprometimento, vontade de crescer e se desenvolver. Nos sentimos honrados de contar com colaboradores que desejaram estar aqui por conhecerem a nossa trajetória de valorização do ser humano. A Inside se tornou desejo de carreira entre nossos recrutados, tanto os jovens recém-formados, como também profissionais com vasta experiência”, enaltece Hellmann.

Junto dos demais diretores, Cleverson Cologni, Elisandro Panisson e Ricardo Calizotti, ele defende uma postura diferente na relação chefe-colaborador. “Crescemos ouvindo patrões dizendo que funcionário tem que ter visão de dono. Desde o início da empesa em 2002, propomos o contrário: a Inside tem que ter também a visão do colaborador. Saber o que o motiva e o faz acordar todos os dias para trabalhar, quais são seus sonhos, o que vai realmente impactar na sua vida. Isso é cuidar do nosso maior patrimônio”. 

Propósito bem definido

Desta forma, a participação no ranking GPTW das melhores empresas para se trabalhar, são consequências de um propósito bem definido e da cultura de valorização do ser humano. “Não se conquista essa premiação com projetos pontuais, aleatórios, objetivando esse mérito. Esse não é o caminho. Trata-se de um processo sólido, baseado em incentivar o auto desenvolvimento, oferecer um ambiente agradável, estimular a inovação, dar liberdade de expressão, oferecer um ambiente com todos os recursos para que cada indivíduo evolua profissionalmente, fazer uma gestão baseada na confiança. Parabéns ao TeamInside”.

Quer fazer parte do TeamInside?
Mande seu currículo para: talentos@insidesistemas.com.br
Ou acesse o nosso Banco de Talentos e veja as vagas disponíveis ;_

O tema é complexo, cheio de siglas, mudanças a todo instante. Tem que estar muito atento para falar, com propriedade, da gestão tributária. E mais, tem que conhecer o mercado da segurança eletrônica para orientar o gestor a seguir o melhor caminho neste complexo universo. De uma forma dinâmica, Lucas Ribeiro e Jean Frasson conduziram a terceira palestra do evento Gestor Inside Online, transmitido ao vivo, no dia 10 de junho.

Confira neste post, alguns dos principais pontos desta conversa.

Medidas disponíveis aos gestores

– Simples Nacional: postergação de impostos das competências de abril, maio e junho para outubro, novembro e dezembro. Está em discussão uma ampliação desse benefício.

– Todas as medidas que ajudam na manutenção da folha, são bem-vindas, para evitar o desemprego, que gera uma série de danos para todo o sistema.

– A receita postergou os vencimentos de pagamento.  Todas as medidas vieram de forma muito positiva para superar esse momento de “vale” e superar depois.

Tire suas dúvidas neste link sobre prorrogações do Simples Nacional e do MEI em razão da pandemia de Covid-10

– PRONAMP 13.999 de 18 de maio de 2020: lei de crédito, que vem ao encontro da relação de caixa, da necessidade das empresas se organizarem novamente. Ela basicamente traz com o objetivo o fortalecimento e desenvolvimento dos pequenos negócios, quem faturou até 4,8 milhões no ano de 2019. Não somente quem está no Simples – o enquadramento de porte (ME ou EPP) não se pode confundir com regime tributário (Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido). Taxa de juros Selic + 1,5% ao ano. Não é necessário também certidão negativa e as garantias são pessoais, apenas o aval do sócio. Vai liberar até 30% da receita bruta anual em relação ao exercício de 2019 – para empresas que auferiram uma receita bacana no ano passado, um crédito bastante relevante que pode atingir 4,5 milhões de micro e pequenas empresas.

– Existem outras linhas de créditos disponíveis para o mercado.

Confira aqui a lista que o Sebrae preparou com as linhas de crédito das instituições financeiras.

Analise o cenário e escolha uma estratégia

– Estamos em um momento favorável às empresas liquidarem seus passivos e conseguirem um capital de giro.

–  Postergação dos vencimentos: e os outros tributos, deixo de pagar? É evidente que teremos um REFIS. O Paulo Guedes já falou, já há movimentações importantes para que tenha essa medida até o fim do ano ou no próximo ano. Mas é preciso tomar essa decisão com cautela, com ciência de que há juros baseada na Selic, que está baixíssima, IOF zerada por 90 dias (até 30/06) e é importante para tomar crédito, tomar capital e fazer caixa, ou comprar empresa, fazer um investimento estratégico para voltar a crescer depois da crise. Tudo bem pensado, mas é possível.

– Muitas pessoas que foram demitidas, ainda estão recebendo o seguro desemprego além as verbas rescisórias. Ou seja, o consumo delas não foi afetado. E isso pode ser afetado daqui 3, 4, 5 meses, ou até mais se elas tiverem alguma reserva financeira. Se até lá, não tiverem um emprego, a probabilidade do colapso econômico seria grande.

– O fluxo de caixa é uma das ferramentas mais importantes, para analisar os números e tomar as medidas certas.

– A vantagem das empresas de segurança são as carteiras recorrentes.

– Desde o primeiro dia da crise, venho trazendo a ideia de que o Brasil é um país rico e tem muitas fontes para dar amparo a todas as medidas. Uma delas é a reserva no exterior. Tínhamos um excedente no exterior. Semana passada ele fez uma venda de 100 bilhões de dólares que gerou mais de 500 bilhões de dólares para o país. Temos outras fontes, muitas empresas públicas para serem privatizadas, vários fundos e recursos que podem ser acessados e no pior cenário estamos com a inflação próxima a zero, e o que significa que o Banco Central pode colocar mais papel moeda no mercado (fabricar dinheiro) e injetar na economia, por meio de obras públicas, para a retomada da economia o mais rápido possível.

– Improvável que teremos majoração de tributos.

Acredito no Refis, em mais medidas como o Pronamp, mais medidas de postergação de recolhimento de tributos, redução e tributos e acredito demais, mesmo que não tenha nenhuma sinalização, que o governo vai tirar os encargos da folha, ou chegar próxima ao zero, para reduzir, consideravelmente o custo da folha.

A Receita Federal preparou um material completo com todas as medidas tributarias adotadas no combate ao Covid – 19. Acesse ele aqui!

Faça a sua parte

– O governo está fazendo a parte dele, mas o empresário precisa fazer a sua também. Fluxo de caixa é essencial, o bom planejamento orçamentário frente ao caixa, é importante que ele tenha um conhecimento maior.

–  Sugestão: rever a situação tributária – verificar se está tributando da forma correta. Já observamos que o empresário de uma empresa de segurança eletrônica compra determinadas mercadorias com substituição tributária e acaba tributando normalmente a mercadoria na saída. Ele tributa duas vezes. Se você pagar “a maior” para o governo, ele não vai devolver.

– Outro ponto importante aos empresários:  verificar o planejamento tributário e uma das ações pode ser a revisão do regime tributário. As vezes pode ser feito uma redução de tributos. Nem sempre o Simples Nacional é a melhor opção. Algumas atividades são vedadas ao Simples. Na nossa experiência, observamos que muitas empresas de segurança eletrônica têm a atividade de locação de equipamentos e isso é uma de receita financeira e por isso não há a obrigatoriedade de emissão de nota fiscal de serviços, e sim, um recibo de locação – que não haverá a incidência do ISSQN, gerando uma redução de custos.

– As empresas têm saído mais do Simples Nacional, a cada ano aumentam o número de migrações para o Lucro Real. Mas é preciso analisar cada caso. E a premissa básica é “organização”.

O que não se pode medir, não se pode controlar.

Gestor Inside Online

Assista a palestra completa

VEJA AQUI

Sobre o convidado especial
Lucas Ribeiro
Advogado, empresário, professor e consultor tributarista e empresarial desde 2003. É sócio e fundador do Grupo ROIT, empreendendo em diversas áreas.

Os sistemas de gestão revolucionaram a forma de controlar as tarefas financeiras, operacionais e fluxos de trabalho. Isso permite maior foco e eficiência na definição e alinhamento dos processos nas empresas.

Habilidade necessária para atuar em um cenário extremamente competitivo e complexo que não exclui as pequenas e médias empresas. Gerenciar múltiplas variáveis para atender o nível de excelência desejado é o detalhe que pode diferenciar uma empresa líder de uma empresa estagnada.

A começar pelo estoque. A gestão inadequada pode gerar clientes insatisfeitos ao não cumprir com a demanda em tempo hábil e impactar nos resultados da empresa ao manter estocado um volume de produtos sem saída. Por isso é essencial controlá-lo, tendo em mente que ele é fundamental para o desenvolvimento das empresas.

Assim, a conexão com outros setores da empresa é essencial: antecipar-se à demanda do comercial, contatar o melhor fornecedor, garantir preço e entrega, faturar, cobrar. Informações concisas e confiáveis que vão fazer a diferença na gestão do estoque.

Estoque saudável é vital para o crescimento das empresas

1. Prognóstico da demanda

Nem demais, nem de menos. A previsão da demanda é um ponto crítico a ser considerado, evitando a escassez e o excesso de mercadorias.

2 . Classificação

Um grande erro é não saber classificar o estoque. Todos os produtos precisam se adequar a uma categorização. Organização que facilita, também, a análise das demandas.

3 . Priorização

Com os dois pontos citados é hora de dar o próximo passo: montar a estratégia de almoxarifado. O foco é comprar para atender os clientes tanto nas modalidades ‘venda’ quanto nas de ‘comodato/locação’.

4. Política de controle

Para ter o controle absoluto do inventário é preciso ter uma regra definida que guie e acompanhe o processo.

O objetivo desta prática é orientar a organização para a correta administração do estoque. Por exemplo:

·         Quantidade máxima e mínima por produto;
·         Investimento necessário para atender as melhorias;
·         Classificação correta de cada tipo de mercadoria e o giro;
·         Histórico de compras;
·         Evolução cronológica e consulta de custos por produto;
·         Balanço com auditoria de divergências;
·         Estoque de segurança;
·         Curva ABC.

Tudo isso entrega informações para investir de forma estratégica visando o atendimento dos clientes com o nível de excelência desejado pela gestão da empresa.

5. Parcerias estratégicas com fornecedores

Os fornecedores são sócios do seu negócio. Um relacionamento saudável com eles pode facilitar tanto a gestão de compras quanto o controle do estoque. Alianças estratégicas neste sentido são necessárias.

Para conquistar esta sinergia é necessário analisar os produtos que geram um maior impacto no inventário. O sistema fornece relatórios de compras por fornecedor, análise do histórico de compras e histórico financeiro de cada fornecedor.

Lembre-se: o capital humano é com certeza o maior patrimônio de uma empresa.


DICA GESTOR INSIDE

Relatórios para identificar os produtos que precisam ser comprados. Sistematização do processo de compra: cotação, pedido de compra, sugestão de preço de venda e preço de venda. A gestão de compras é estratégica nos negócios e o Sistema Service possui um módulo específico para isso.

Os usuários do Sistema Service têm acesso a um relatório que mostra quais os produtos estão com estoque baixo. A sequência da compra se dá por meio do recurso de Cotações de Preços, que gera um arquivo que pode ser enviado aos fornecedores via email.

Com os dados informados é possível comparar qual a melhor opção de cotação de preço, reduzindo o valor final do produto e tornando-se mais competitivo no mercado.  O preço de venda do produto também é sugerido pelo sistema.

Sobre o autor
Rodrigo Nunez
Analista de Implantação